LIBRAS

Os estudos optativos e complementares

Apenas estudar para o vestibular pode se tornar algo chato e entediante. Ficar vendo português, matemática e física repetidamente e apenas intercalando entre essas matérias é praticamente um porre.

Por isso eu estou complementando com cursinhos “de outras coisas”, que trazem algo diferente a minha rotina e também me dão prazer.

O principal, como de praxe, é o cursinho de inglês. Eu já o fiz presencialmente aqui na faculdade onde estudo, mas infelizmente só pude completar o 1º período, já que o pessoal da minha turma (que eram poucos), acabaram por não dar prosseguimento. Outra questão que me afugentou de continuá-lo foi o fato dos alunos não quererem (que palavra estranha o.O) se dedicar mais aos estudos, o que prejudicava o andamento da aula.

Tirando os problemas só sobram as virtudes: O preço, 70 reais por mês é um valor bem legal se comparado ao valor de cada módulo semestral de uma escola dedicada como a Wizard (sem contar o material);

Também destaco o maravilhoso professor Thiago Cunha (que emagreceu bastante, diga-se de passagem), que é ótimo no ensino dessa maravilhosa língua americana. O que me faz lembrar dele é o modo como ele pronuncia meu nome – /uágner/. Do jeito americano mesmo. Quando eu for para EUA vou fazer questão de utilizar meu nome dessa forma :-).

Mas infelizmente as aulas presenciais se foram e só me sobra a internet para me ensinar a speakar english.

Você e esse seu cursinho de inglês online.

Via geradordememes.com

O site que eu indico a todos é o famoso Duolingo, e também os canais do Youtube Julia JolieELF Kids VideosEnglish4Brazil, Cintia disse e Inglês Winner. Também há vários outros canais e sites que se dedicam a isso, impossível algum não te agradar.

Duolingo

Ele é, sinceramente, o melhor cursinho online que você vai encontrar. Talvez melhor até que algumas metodologias utilizadas por escolas de idiomas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O jeito de jogo (com desafios, recompensas e competição) que estrutura consegue equilibrar bem o incentivo ao estudo e a prática do aprendizado, além dos exercícios curtos e a repetição  que ajudam muito a decorar cada palavra nova. O sisteminha de recompensas onde você ganha moedinhas, chamadas Lingots, a cada aula aprendida (ou a cada lição feita sem perder corações, na versão mobile) também colabora para que o usuário saiba que está valendo a pena praticar todos os dias.

O site é super limpo e intuitivo, além de não ter propagandas (como diabos ele consegue se manter? Eu não sei).

LIBRAS

Comecei recentemente (alguns minutos antes de começar a escrever este post, para falar a verdade) a aprender a língua brasileira de letras, LIBRAS.  É através desse idioma (?) que os surdos se comunicam com outros surdos e com os não surdos. É todo baseado em gestos com as mãos e também nas feições do rosto.

Para aprendê-la estou utilizando também a internet. Como ainda não achei um curso online, com interatividade (aulas, questionários, etc) estou utilizando as primeiras coisas que o Google me mostrou, mais especificamente a Educopédia e o canal Libras Pernambuco, no Youtube.

Mesmo que saber “falar” libras não ajude em nada no vestibular, eu sinto que isso vai acrescentar muito em minha vida. Aprender mais uma forma de ajudar as pessoas me dá uma sensação muito boa, quem saiba eu não possa fazer a diferença na vida de mais uma pessoa?.

Matemática

Não posso esquecer de mencionar que estou fazendo um cursinho de matemática básica na faculdade. O professor, Rodrigo “Tchi Tchi”, é maravilhoso e tem o dom de explicar a matéria como poucos. É o famoso professor de cursinho. Irei pagar 250 reais por 10 aulas, aos sábados, com duração de 3 horas. É caro? Considerando o valor por aula não, mas para o meu bolso sim.

 

Fora esses tem apenas o de Espanhol, que dei uma parada mas logo logo vou recomeçar. Não dá para acrescentar mais nada. Quer dizer, eu até tenho tempo nesse momento, mas basta eu organizar minha rotina que não vai mais sobrar pedra sobre pedra segundo pra gastar.

 

Notinhas:
>"Pedra sobre pedra" tem sua origem em 477 a.c, sendo atribuída ao super descolado e popular Oráculo de Delfos (fonte).
>Eu estava escrevendo "digasse", vê se pode?!