Abandonar

Decisões

[…]Corta para algumas semanas no futuro […]

Eu falei que ia ter especial semanal e não teve. Eu poderia ter escrito os textos, mas sempre optava por não escrever. Eu tinha o assunto em mente, mas ainda assim não o expressava no teclado.

Eu poderia cumprir várias promessas, eu apenas teria, aliás, irei mudar o tempo verbal, eu apenas TENHO que decidir, essa é a palavra chave – DECIDIR – que parece tão simples de ser posta em prática, e de fato é!

Caramba! Se é algo tão simples, por que¹ eu não consigo fazer???

Basta resumir tudo em 2 caminhos possíveis e colocar numa balança, algo como: Eu irei estudar? Sim ou não; É algo bom acordar cedo? Sim ou não; O que eu vou fazer hoje a tarde? Ficar no ócio ou postar um artigo no blog; e assim por diante.

Mas ainda assim é difícil, é mais fácil falar, dissertar sobre, mensurar as dificuldades, do que realmente agir. É algo que eu falei para meu colega Wilks: “[…] cara, basta você começar a fazer! No começo vai ser difícil, eu sei, mas depois você se acostuma. Novamente, a parte mais difícil é o começar algo, depois que você se habitua tudo fica mais fácil, passa a ser algo automático“.

No momento atual eu estou diante de várias decisões, mas uma é a maior de todas:

Eu termino essa faculdade (falta apenas 1 ano) ou tranco e me dedico exclusivamente a passar para medicina?

Eu posso simplesmente chutar o balde e pular fora desse curso que não me da prazer, mas essa não é uma decisão fácil, é complicado! Fora que todos à quem eu peço conselhos me dizem que eu seria um tremendo idiota se eu largasse a faculdade faltando tão pouco para terminar. PORRA! Eu sei que é uma decisão idiota, eu não preciso que me digam o que eu já sei!

Se eu continuar fazendo Ciência da Computação

Bem, a maior recompensa será o “canudo”, aquele certificado que lhe permite ingressar em empregos que pagam bem mais. Eu poderei entrar na policia federal e ganhar um baita salário. Trabalhar em empresas que pagam mais. Está redundante, eu sei, mas basicamente se resume a isso – ganhar mais. Outra coisa que pesa bastante é a possibilidade de realizar um outro sonho meu – cair fora do Brasil – ir para os EUA ou Canadá para poder ter uma vida digna.

Se eu largar tudo e me dedicar a [passar para] medicina,

Hmmm, aí são outros oitenta. É algo que eu gosto (será que eu gosto mesmo?), que me agrada. Poder ajudar as pessoas, saber fazer uma pessoa se sentir melhor. Cara, como eu gosto de pensar nisso! Se eu largar, eu vou ter minha mente inteiramente livre e dedicada à estudar (estudar, estudar e estudar) para medicina. Eu poder fazer dessa situação de VESTIBULANDO uma profissão, eu poderei me especializar nisso. Eu vou entrar no hall de pessoas corajosas como o Arlindo Lopes, a Tatiane dos Santos e tantos outros que desistiram do curso (ou emprego) em que estavam e passaram a se dedicar exclusivamente à medicina. Eu quero ser como eles!

Quiere ser hardcore y su mama no lo deja

Estou e o Jorge estamos no mesmo dilema

E o pior é que eu não sei quanto tempo eu tenho para tomar essa decisão (você ainda é novo, eles dizem²). Eu poderia ir na Secretária da faculdade hoje mesmo e trancar logo esse curso, mas… e depois?…

Meu plano atual é o seguinte, termino esse semestre, ganho mais uma graninha com o estágio até 15 de janeiro e a partir daí eu coloco tudo em prática:

  • Tranco o curso;
  • Largo o estágio;
  • Viajo para o Paraná;
  • Faço o cursinho pré-vestibular;
  • Profissão vestibulando, estudo é vida;
  • Passo em medicina.

Na teoria parece ser fácil, mas não é, vai ser complicado, vai parecer desestimulante, eu vou titubear as vezes e achar que fiz a escolha errada. Fora o fantasma da preguiça que vai estar me acompanhando o tempo inteiro, eu vou ter que ser forte e não deixar ela me vencer.


 

¹ Em perguntas o “por que” é separado

²

 

Créditos das imagens:
Jorge quiere ser hardcore: Disponível em <http://sinfinradio.blogspot.com.br/> Acesso em: 26/11/2014.